Ação em parceria dos órgãos de alcance nacional produtores de registros administrativos, pesquisas sociais e censos. Tem por objetivo o fortalecimento e aprimoramento das informações estatísticas oficiais.


Trabalho e Rendimento: Pesquisa Mensal de Emprego

Processo: Pesquisa Mensal de Emprego
Sigla: PME
Instituição Responsável: IBGE/DPE/COREN - Coordenação de Trabalho e Rendimento
Tema: Trabalho e Rendimento
Tipo do Processo: Pesquisa
Situação do Processo: Ativo
Periodicidade: Mensal
Início: 1980
Ocorrência(s): Jan/1980 a Jun/2014
Unidade(s) de Investigação: Pessoa
Técnica de Investigação: por Amostragem Probabilística

Histórico:

Implantada em janeiro de 1980 nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo, a Pesquisa Mensal de Emprego foi estendida às regiões metropolitanas de Porto Alegre e Belo Horizonte em abril e, em junho do mesmo ano, iniciada nas regiões metropolitanas de Recife e Salvador.

Durante o período de janeiro de 1980 a janeiro de 1982, a Pesquisa Mensal de Emprego utilizou o desenho da amostra da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD. Após a realização do Censo Demográfico de 1980, com a obtenção de informações atualizadas sobre a dimensão da população a ser investigada, foram realizados estudos com vistas à reformulação da pesquisa, tanto no plano amostral como na parte conceitual da investigação.

Em fevereiro de 1982 começou a implantação gradativa das reformulações efetuadas, terminada em maio do mesmo ano.

Em 1988, motivados pela tentativa de solucionar problemas com a coleta (aumento das taxas de não-entrevista, sobrecarga da equipe de campo, desvio de supervisores para atividades de coleta etc) e, descartando a solução de contratação de pessoal para as equipes de campo, decidiu-se criar uma comissão para estudar e propor uma redução da amostra. A implantação da nova amostra ocorreu em agosto de 1988, assegurando a manutenção do desenho e aplicando-se uma redução de, aproximadamente, 30% no tamanho da amostra, com consequente perda de cerca de 20% em precisão.

Em abril de 1996, foi investigado o suplemento: Associativismo; representação de interesses e intermediação política; e educação e trabalho. Em fevereiro de 1999, foi investigado o suplemento: Cor ou raça e origem.

Em 2001, o IBGE realizou uma revisão da pesquisa em todos os seus aspectos metodológicos e processuais, para que a investigação se ajustasse à realidade atual e continuasse produzindo indicadores para a análise conjuntural do mercado de trabalho metropolitano, tendo sempre presente a comparabilidade internacional. Um dos motivos que levou a essa revisão foi atender as novas recomendações da Organização Internacional do Trabalho para a investigação da força de trabalho.

Em Janeiro de 2003 os indicadores passaram a ser divulgados utilizando os dados da PME revisada, ou seja, sob a nova metodologia.

Objetivo:

O objetivo principal da pesquisa é produzir indicadores mensais sobre a força de trabalho das pessoas de 10 anos ou mais de idade (economicamente ativas e não economicamente ativas, em cada uma das regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa) que permitam avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos, do mercado de trabalho metropolitano. É um levantamento utilizado para dar indicativo ágil dos efeitos da conjuntura econômica sobre o mercado de trabalho, além de atender outras necessidades importantes para o planejamento socioeconômico do País.

População Alvo:

Pessoas de 10 anos ou mais de idade residentes nas áreas urbanas das Regiões Metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e de Porto Alegre.

Abrangência Geográfica:

A pesquisa é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, de Salvador, de Belo Horizonte, do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Porto Alegre.

Metodologia:

Pesquisa mensal realizada através de uma amostra probabilística de domicílios, estruturada de forma a garantir a representatividade dos resultados para cada região metropolitana investigada. Contempla um esquema de rotação das unidades domiciliares a fim de evitar o cansaço dos informantes. No esquema adotado, um determinado domicílio permanece na amostra durante quatro meses consecutivos, é retirado da amostra durante o intervalo de 8 meses seguintes e retorna por mais quatro meses.

Plano amostral: a pesquisa utiliza uma amostra probabilística de domicílios, estratificada e conglomerada em dois estágios, para cada região metropolitana de abrangência da pesquisa. Cada um dos municípios e pseudomunicípios (conjuntos de municípios de menor porte em quantidade de domicílios segundo o Censo Demográfico mais recente disponível) corresponde, a um estrato independente de seleção, garantindo assim o espalhamento da amostra pela região metropolitana.

Dentro de cada município ou pseudomunicípio é feita a seleção das unidades primárias de amostragem - UPAs e, posteriormente, das unidades secundárias de amostragem - USAs. As unidades primárias de amostragem são os setores censitários, enquanto as unidades secundárias de amostragem são as unidades domiciliares.

Na seleção das unidades primárias e secundárias de amostragem da pesquisa revisada, implantada em 2001, foram adotadas a divisão territorial e a malha setorial vigentes em 1º de agosto de 2000 utilizadas para a realização do Censo Demográfico 2000.

Seleção das unidades primárias de amostragem: a seleção dos setores é feita através de amostragem sistemática com probabilidade proporcional ao total de domicílios particulares ocupados, obtido pelo Censo Demográfico 2000.

Seleção das unidades secundárias de amostragem: com base na listagem atualizada de unidades domiciliares nos setores selecionados, é feita a seleção das unidades domiciliares por meio de amostragem sistemática simples. Sendo assim essa seleção é feita a partir de intervalos de seleção fixos por setor.

A pesquisa possui a priori aspectos de um plano amostral autoponderado dentro de cada região metropolitana. Isto implica que, em função do crescimento ou decrescimento natural do setor, verificado a cada realização da listagem, a quantidade de unidades domiciliares a serem selecionadas pode aumentar ou diminuir. Na amostra original de setores, foi feita uma redução na probabilidade final de seleção de unidades domiciliares, nos casos em que se constatou baixa proporção de unidades domiciliares ocupadas em relação ao total de unidades domiciliares no setor. Além disso, como nesta pesquisa há tratamento para não-resposta, a característica da autoponderação é perdida no momento da estimação de quantidades de interesse.

Operação de Listagem: A operação de listagem é realizada para possibilitar a seleção das unidades domiciliares. Caracteriza-se pela construção de um cadastro atualizado que permite localizar, identificar e quantificar as unidades domiciliares existentes nos setores selecionados para a amostra. Para identificar a unidade domiciliar são coletadas variáveis de identificação, tais como: endereço, nome do morador e espécie do domicílio.

Teoricamente um setor selecionado para a pesquisa no início da década permanece na amostra por toda a década. Entretanto, podem ocorrer substituições em função de:

· esgotamento de unidades domiciliares para seleção;

· em caso de áreas de alta periculosidade; e

· extinção da maioria das unidades domiciliares em função de inundações etc.

A substituição de um setor é feita por outro com características semelhantes. As substituições implicam na realização da operação de listagem dos novos setores selecionados.

A cada entrada de painel é realizada a operação de atualização de listagem, objetivando verificar as inclusões e exclusões ocorridas nos setores selecionados (em anos ímpares são realizadas duas operações de atualização de listagem e em anos pares apenas uma).

Dimensão da amostra: Uma vez que, no momento em que foi necessário proceder à seleção da amostra de setores da pesquisa revisada, não se dispunha das informações do questionário da amostra do Censo Demográfico 2000, o que possibilitaria fazer o dimensionamento da amostra para a PME, controlando a precisão desejada de uma ou mais características consideradas como relevantes para a pesquisa, optou-se por dimensioná-la mantendo seu tamanho final, em número de unidades domiciliares, aproximadamente igual ao que vinha sendo investigado anteriormente.

Assim, obteve-se a nova fração amostral, dividindo-se o total de unidades domiciliares pelo número desejado de unidades domiciliares na amostra e, fixando em 16 o número de unidades domiciliares a serem selecionadas em cada setor, chegou-se ao número de setores na amostra.

Tamanho da amostra: aproximadamente 44 000 domicílios por mês.

Para maiores detalhes acesse http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/

indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/srmpme_2ed.pdf.

Principais Variáveis:
  • As principais variáveis investigadas na parte de educação são: alfabetização, se frequenta escola ou não, se já frequentou e curso de qualificação profissional.
  • As principais variáveis investigadas na parte de trabalho são: classificação de atividade, formas de inserção no mercado de trabalho, características dos trabalhos principal e secundário(s), rendimento, previdência, horas trabalhadas, filiação a sindicato, ocupação, atividade, procura de trabalho e características do trabalho anterior.
Documentação Operacional:
  • Os instrumentos de coleta utilizados na pesquisa são:
  • Para a realização da Operação de listagem:
  • PME 2.01 Caderneta da área de listagem, neste instrumento encontramse o mapa e a descrição da área listada (setor censitário), serve também para acondicionar os relatórios das unidades domiciliares listadas no setor.
  • Relatório das unidades domiciliares listadas no setor neste instrumento estão relacionadas ordenadamente, os endereços de todos os domicílios, particulares e coletivos, e as unidades nãoresidenciais da área de listagem e a variável painel, que possibilita a localização dos domicílios que estarão participando da pesquisa no mês.
  • Relação das unidades selecionadas no cadastro neste instrumento estão relacionados ordenadamente os domicílios particulares selecionados do cadastro, identificados por: código da unidade da federação, controle, sequencial dentro do controle, painel, número de seleção, quadra e face do quarteirão, endereço, telefone e espécie do domicílio.
  • Para a realização da operação de entrevista:
  • PME 1.01 Questionário da pesquisa básica: implantado no aplicativo de entrevista de cada equipamento PDA (Personal Digital Assistant), é o instrumento utilizado para o levantamento das informações da pesquisa básica em cada unidade domiciliar selecionada para compor a amostra.
Época da Coleta:

Os dados são coletados durante quatro semanas que correspondem a um mês de pesquisa.

Tempo Previsto entre o Início da Coleta e a Liberação dos Dados:

Do início da coleta até a divulgação dos resultados são decorridos aproximadamente 48 dias.

Nível de Divulgação:

Os dados são divulgados para cada uma das regiões metropolitanas separadamente (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) e para o conjunto delas.

Formas de Disseminação:

No portal do IBGE na internet:Comentários, tabelas e séries históricas dos indicadores com início em março de 2002, Microdados, SIDRA- Sistema IBGE de Recuperação Automática e Banco de Metadados Estatísticos.


© 2014 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística